quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Concluída a 1ª Fase dos Ensaios Elétricos do SARA Suborbital

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada dia (23/12) no site do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), destacando que foi concluída a 1ª Fase dos Ensaios Elétricos do veículo "SARA Suborbital I".

Duda Falcão

Concluída a 1ª Fase dos Ensaios
Elétricos do SARA Suborbital

Publicada em 23/12/2013 13:30 - Atualizada em 09:11


Na última quinta-feira, dia 19 de Dezembro, foram concluídos os ensaios da Eletrônica de Bordo (Redes Elétricas) do veículo SARA Suborbital, referentes à 1ª fase dos ensaios previstos.

Técnicos do IAE em conjunto com a empresa CENIC realizaram uma análise detalhada de todas as conexões do veículo SARA Suborbital e das atuações dos eventos em vôo por meio de um “jig” de testes que emula o Banco de Controle. Os testes foram realizados nas dependências da Divisão de Eletrônica do IAE (AEL) e detectaram pequenos problemas que foram imediatamente sanados. Como o número de conexões do SARA Suborbital é muito grande, alguns testes preliminares de continuidade de cablagens já tinham sido efetuados de forma automática, sendo que os testes de atuação somente foram levados a termo na presente semana em face dos cuidados de preparação.

Em janeiro está prevista uma segunda fase de testes do SARA Suborbital também com o “jig” de testes de forma a garantir que a Eletrônica Embarcada esteja pronta para sua conexão com o Banco de Controle do veículo. Os testes conjuntos entre a Eletrônica Embarcada e o Banco de Controle estão previstos para serem iniciados em fevereiro de 2014 após o recebimento e aceitação do Banco de Controle.


Fonte: Site do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE)

Comentário: Pois é leitor, mais um etapa concluída desse importante projeto do IAE. Sou um grande entusiasta desse projeto desde que o mesmo foi lançado, creio que há mais de dez anos pela equipe do Dr. Paulo Morais Jr., e posteriormente conduzida pela equipe do Dr. Luis Eduardo Loures da Costa, projeto este que devido aos seus objetivos, a futura versão orbital do veículo abrirá portas para o Brasil em uma série de novas oportunidades tecnológicas no espaço. Avante SARA Suborbital.

5 comentários:

  1. Será que de alguma forma o projeto 14-X está ligado com este do SARA? Ou seria simplesmente os testes com o 14-X "segredo de Estado"?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Israel!

      Não, são projetos distintos, mas que podem se complementar em algumas das suas tecnologias creio eu. Entretanto, isto só poderia acontecer hipoteticamente em uma fase bem posterior de ambos os projetos.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  2. São essa coisas que não dá pra entender...

    Será que o Brasil não pode colocar um satélite em órbita? Ou simplesmente os que podem provar que podem não estão nem aí, e deixam o barco correr?

    Como alguns de vocês já sabem, dedico parte do meu tempo a atualizar artigos relacionados a conquista espacial na Wikipedia, muitos em relação ao PEB mas sempre que encontro artigos de artefatos importantes deficientes, procuro melhorá-los. O mais recente foi o do foguete Viking (a V-2 americana).

    Esse foguete foi melhorado e serviu de primeiro estágio no foguete Vanguard que colocou o segundo satélite americano em órbita (pouca coisa maior que um Cubesat de hoje em dia).

    Aí basta pegar os dados e comparar com os foguetes que já temos, eu apesar de leigo e sabendo que não é tão simples como parece, tenho a firme convicção que se alguém decidisse e tomasse posição firme a respeito, colocando um foguete VSB-30 sobre um VS-40, seria possível colocar um pequeno satélite tipo Cubesat em órbita. Talvez até, se a coisa fosse bem conduzida, com patrocínio privado.

    Fico sempre com essa sensação, de que não estamos no "clube de países espaciais", simplesmente por falta de visão do "governo", de vontade do "alto escalão" e de ATITUDE daqueles que estão dentro do sistema, em TODOS os níveis.

    Lamentável.

    ResponderExcluir
  3. A única visão que o atual governo tem é o assistencialismo (bolsas esmola) que os mantem no poder. Mas certamente esse não é o único problema. A tal falta de vontade do "alto escalão" passa pela incompetência dos mesmos. Não vou mencionar exemplos para não dar enjoo aos leitores do Blog. Sobre a atitude que vc tem mencionado essa não virá e não será por covardia. A grande maioria dos que trabalham atualmente no PEB não presenciaram as épocas de seriedade quando foram feitos o Sonda4, o VLS e o SCD. Não sabem como deveriam se conduzir. Muitos estão acomodados às benesses do serviço público e simplesmente não querem trabalhar.
    Somente uma mudança radical (e não recursos finaceiros) na condução do PEB trará algum resultado. O caminho atual leva a lugar algum.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, vivemos hoje num país de castas e benesses. É necessária uma reforma profunda em vários setores, mas como aqui tratamos do programa espacial, só nos resta cobrar algum nível de comprometimento e caráter, daqueles que ora estão envolvidos com ele.

      Abs.

      Excluir