sexta-feira, 2 de junho de 2017

As Atividades Espaciais no Nordeste Brasileiro

Olá leitor!

Apesar dos dois centros de lançamentos de foguetes do país o CLBI (Centro de lançamento da Barreira do Inferno) e o CLA (Centro de Lançamento de Alcântara) estarem justamente localizados no Nordeste do país, curiosamente e infelizmente as atividades espaciais nesta região do Brasil são ainda muito tímidas e se restringe a algumas poucas células de desenvolvimento.

Na esfera governamental além dos centros de lançamentos citados temos as atividades do Centro Regional do Nordeste (CRN) pertencente ao Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) de São José dos Campos (SP), centro este onde o seu Laboratório de Tecnologia Espacial (LTE –Lab)  trabalha atualmente no desenvolvimento de uma constelação de nanossatélites denominada de CONASAT (Constelação de Nanossatélites Ambientais), e no desenvolvimento de um novo circuito para nanossatélites denominado de TRANSPONDER DCS, ambos projetos desenvolvidos em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Centro Regional do Nordeste (CRN) do INPE - Natal-RN

Além disso, um computador de bordo para cubesats foi desenvolvido recentemente pela Universidade Federal do Ceará (UFC) com o apoio do INPE para ser usado nesta constelação de nanossatélites ambientais que esta sendo desenvolvida pelo CRN/UFRN ,e segundo foi divulgado poderá também ser usado em outros projetos de cubesats.

Na área de foguetes, o Prof. Francisco Chagas Mota do Departamento de Engenharia da Computação e Automação da UFRN, com o crucial apoio do CLBI, desenvolveu um projeto denominado de “AeroGPS” que teve como objetivo desenvolver um sistema de rastreamento GPS (Global Positioning, System) para objetos lançados na órbita espacial. Projeto este que já e uma realidade e já foi testado com sucesso em diversas missões espaciais brasileiras.

Na área de foguetes educacionais (Foguetemodelismo), este  relacionados com grupos universitários da região, as atividades são ainda mais tímidas (porem promissoras), pois estão locadas em apenas três universidades nordestinas e um instituto federal que ainda se organiza para esse fim.

O primeiro desses grupos é o “Carcará Rocket Design” da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), grupo este formado por alunos muito dedicados e comprometidos desta universidade maranhense que, demonstraram seu grande potencial recentemente em Curitiba, quando conquistaram quatro prêmios durante a realização do “IV Festival Brasileiro de Minifoguetes” (veja o vídeo abaixo) e agora se preparam para participar da COBRUF Rockets em setembro desse ano (evento este organizado pela Associação COBRUF) e onde terão um desafio ainda maior, ou seja, desenvolver um foguete que alcance 3 km de altitude.

TV Brasil - 10/05/2017

O Segundo desses grupos é o “Potiguar Rocket Design” formado por alunos da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), grupo este que infelizmente tenho poucas informações sobre os seus planos, mas segundo o que foi publicado em sua página oficial no Facebook, essa equipe esta colaborando no projeto da “Missão Dragão do Mar” do grupo G.D.Ae. da UFC, e recentemente com a ajuda da equipe  “Car-kará Baja SAE” (representante da UFRN nas competições automobilísticas universitárias de BAJA SAE) , eles conseguiram concluir uma bancada de testes estáticos para seus motores. (veja a foto abaixo).

A equipe Potiguar Rocket Design.

O terceiro grupo é o já citado Grupo de Desenvolvimento Aeroespacial  (G.D.Ae.) da Universidade Federal do Ceara´(UFC), grupo este formado por alunos de Engenharia desta universidade que, como já dissemos, é a equipe líder da “Missão Dragão do Mar”, única missão (fora as atividades da Associação COBRUF) de uma equipe universitária do país que tem como objetivo lançar um foguete de um centro oficial brasileiro. A “Missão Dragão do Mar” visa o lançamento do foguete "Hermes -1" (movido a propulsão híbrida) do Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI) nos primeiro meses de 2018, realmente um objetivo bastante ambicioso e que ficaremos na torcida pelo seu sucesso.

Banner da Missão Dragão do Mar.

A outra iniciativa nessa área esta ligada ao jovem Prof. Brehme Dnapoli de Mesquita do Instituto Federal do Maranhão (IFMA), campus de Acailândia-MA, que está tentando formar um grupo de ensino médio pra trabalhar nessa área de minisfoguetes, bem como também na área de cansats e cubesats e anunciou recentemente que pretendia fazer uma parceria com a galera da Missão Lunar Garatea-L visando participar em uma de suas fases.

O jovem Prof. Brehme Dnapoli de Mesquita
do IFMA de 
Acailândia-MA 

Além disso, não podemos esquecer as atividades realizadas por grupos independentes da região como o Centro de Estudos de Foguete Espaciais do Carpina (CEFEC) de Carpina-PE, grupo este sob o comando de um dos pioneiros do Foguetemodelismo Brasileiro e pioneiro do PEB, o Prof.  José Félix de Santana, centro este que completou em março do ano passado 50 anos de atividades.

O Prof. José Félix Santana do
CEFEC de Carpina-PE.

E também do Centro Experimental de Foguetes Aeroespaciais da Bahia (CEFAB) de Salvador-BA, este sob a liderança de outro pioneiro do Foguetemodelismo do país e aluno do Prof. Felix, o Sr. Cássio Carlos Oliveira, centro este que infelizmente passa no momento por grandes dificuldades por falta de recursos, mas que também tem uma longa história nessa área de minisfoguetes.

O Sr. Calos Cássio Oliveira do
CEFAB de Salvador-BA.

Pra finalizar, ainda nessa área de foguetes educativos temos também as atividades da empresa BANDEIRANTE Foguetes Educativos de Recife-PE, que há anos sob o comando do Sr. Roberto de Paula, vem desenvolvendo minisfoguetes para o ensino médio e atualmente esta envolvido também com outras iniciativas fruto de parcerias que no momento certo serão divulgadas pela própria empresa.

Sr. Roberto de Paula da Bandeirante
Foguetes Educativos de Recife-PE

Pois é leitor, e se resume a isso (ate onde sei) no momento as atividades espaciais no meu querido Nordeste, sendo especialmente para o autor desse texto muito triste observar meu estado fora dessa corrida, principalmente quando sabemos que o Estado da Bahia tem grandes universidades e centros de pesquisas, realmente muito triste.

Duda Falcão

4 comentários:

  1. Duda
    Não fique triste, em breve muitos foguetes decolarao da Bahia, é uma questão de mais um ano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Roberto!

      Eu espero que sim amigo, mas há não ser que você saiba de algo que eu não sei, é difícil acreditar que isso aconteça.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  2. Prezado Duda. É até uma honra estar dentre essas possibilidades de trabalhos espaciais nessa linda região nordeste brasileira. Gostaria apenas de deixar claro que a possibilidade de parceria com os colegas do Garatéa seria no projeto Garatéa-E, no caso, do projeto de educação da equipe Zenith; quem dera se eu estivesse com abertura em participar do projeto lunar, seria um sonho pessoal. Por enquanto, estou nesse trabalho de desenvolver projetos na área de educação tecnológica espacial por meio de mini foguetes e picossatélites. Eu tive uma pequena conversa com os colegas do CONASAT para ajudá-los em alguma parte do projeto, já que eu utilizei dados do projeto em minha dissertação de mestrado no INPE, além deles estarem utilizando uma ferramenta computacional desenvolvida pelo meu orientador.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Brehme!

      Realmente, uma região muito bonita, como é alias todo o Brasil. Quanto ao que você disse jovem amigo, eu sei, por isso que disse que a parceria seria para uma das fases do Projeto Garatéa-L, projeto este (até onde eu sei) que ainda terá duas fases para serem concluídas antes do lançamento da sonda lunar, ou seja, a Garatéa-E citada por você, e a Garatéa-I. Porém continuo aguardando que você me envie mais detalhes sobre os seus planos e o relato da visita do Eng. Lucas Fonseca ao Maranhão e suas implicações.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir