sexta-feira, 20 de outubro de 2017

FAB Participa de Evento na FGV sobre Programa Espacial Brasileiro

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota publicada ontem (19/10) no site da Força Aérea Brasileira (FAB), destacando que como anunciamos a FAB participou de palestra na sede da Fundação Getúlio Vargas (FGV), em Brasília, sobre Programa Espacial Brasileiro (PEB).

Duda Falcão

PALESTRA

FAB Participa de Evento na FGV
Sobre Programa Espacial Brasileiro

Evento realizado em Brasília (DF) teve palestra do Diretor-Geral do DCTA

Por Tenente Felipe Bueno
Edição: Agência Força Aérea
Publicado: 19/10/2017 18:22h


A Força Aérea Brasileira (FAB) participou, na última quarta-feira (18/10), da palestra "O Programa Espacial Brasileiro e os caminhos críticos para o seu sucesso", realizada na sede da Fundação Getúlio Vargas (FGV), em Brasília (DF). O palestrante foi o Diretor-Geral do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos Augusto Amaral Oliveira, que falou sobre a importância do tema no futuro do Brasil.

“O que buscamos transmitir foi apresentar o Programa Espacial como um todo: caminhos críticos, problemas enfrentados para atingirmos todos os objetivos desde o início do Programa, em 1961, e os caminhos que entendemos que temos de seguir para resolver esses óbices. O que é interessante é que esses problemas não são apenas tecnológicos - embora também sejam. Em termos de tecnologia, é sempre uma questão de aplicar recursos para que eles sejam superados. O maior problema que nós temos hoje - o que deixamos muito claro para essa plateia, que são formadores de opinião - é uma questão de gestão descentralizada. A ideia é corrigir esta falha e sanar os demais problemas em busca de nossos objetivos”, explicou o Tenente-Brigadeiro Amaral.


À frente do DCTA desde janeiro deste ano, o Tenente-Brigadeiro Amaral acumula aproximadamente 3 mil horas de voo e já ocupou cargos como o de presidente da Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (COPAC); comandante da Academia da Força Aérea (AFA); e vice-diretor do Departamento de Ensino da Aeronáutica. Durante o evento, ele abordou os principais fatos históricos do Brasil no âmbito aeroespacial, desde os primeiros passos, na década de 1960, até os dias atuais. Além disso, os principais desafios da área e possíveis soluções a serem implantadas no futuro também foram tema de debate.

O estudante de engenharia aeroespacial da Universidade de Brasília (UnB), Daniel Sampaio Santos Moreira, esteve presente na palestra e elogiou o conteúdo abordado. “Foi muito amplo, abarcou tanto a questão não técnica, as questões da governança, do que foi aprendido com todos os anos de gestão do governo, como a parte técnica: alguns desafios tecnológicos que nós, como estudantes, devemos desenvolver nos próximos anos para embarcar na indústria aeroespacial”, afirmou.


Pela Estratégia Nacional de Defesa, a Força Aérea Brasileira é responsável por capitanear, no âmbito do Ministério da Defesa, ações e projetos para o desenvolvimento da área espacial no País. O diretor da FGV Management dos núcleos Brasília, Rio e São Paulo, Paulo Mattos de Lemos, comentou a importância da interação da FAB com a comunidade civil.

“Esse ciclo de palestras é muito importante porque ela traz muita informação que é necessário ser divulgado. Hoje nós tivemos uma informação muito grande sobre o programa espacial brasileiro, coisa que nós não conhecemos. É muito importante para a gente perceber a competência com que isso está sendo tratado, e isso nos dá um alento de crescimento no Brasil”, disse o diretor.

Veja a matéria em vídeo do evento:



Fonte: Site da Força Aérea Brasileira (FAB) - http://www.fab.mil.br

Comentário: Que me perdoe o Tenente-Brigadeiro Amaral, mas suas palavras não passam de pura falácia. O problema básico do PEB consiste na falta de interesse do governo em tomar uma posição, o resto é consequência desta falta de altitude, desta falta de compromisso. Programa Espacial leitor é uma área estratégica e de segurança nacional para qualquer nação do mundo, especialmente para um país gigantesco e riquíssimo como o nosso. Mas o que esperar de um governo que não tem interesse de governar e sim de fazer POPULISMO para satisfazer os seus interesses nefastos, aproveitando-se do egocentrismo, da hipocrisia e da estupidez de uma sociedade pirata. Temos na realidade Tenente-Brigadeiro Amaral o governo que merecemos, e o nosso resultado como Território de Pirata bem como a questão espacial é fruto disto. Querem mesmo resolver a questão espacial no país. Se reúnam em uma sala com o Presidente da Republica ao lado dos maiores especialistas sérios do PEB (busquem até mesmos os já aposentados) o tempo que for necessário, estabeleçam uma estratégia de ação ouvindo quem tem de ouvir e só saiam de lá para colocarem essas ações imediatamente em prática, mas tendo como único objetivo o desenvolvimento espacial brasileiro e o futuro do Brasil. Quando isto realmente acontecer Tenente-Brigadeiro Amaral, aí as suas palavras terão alguma credibilidade, pois uma ação Brigadeiro vale mais do que mil palavras. Aproveitando, Brigadeiro, em 2015 o prazo divulgado para o voo de qualificação do agora VLM-1 alemão era 2018, em 2016 adiou-se para 2019 e este ano já foi divulgado que ficou para 2020. Quando será que essa novela vai acabar Brigadeiro, em 2050??? Vale lembrar Brigadeiro para registro que a novela do VLS-1 foi finalizada sem sequer ter ocorrido o seu voo de qualificação. Bem leitor, como tenho certeza que o brigadeiro não irá responder, eu respondo, não tem prazo para terminar e nem se mesmo o voo ocorrerá. Para se ter uma ideia leitor, segundo informações recebidas pelo Blog, por falta de uma coordenação competente as atividades da parte Brasileira envolvidas com o projeto no IAE estão praticamente paradas, o que explica em parte os adiamentos, além de que esta situação poderá tornar o foguete ainda mais alemão do que já é. Foi pra isso Brigadeiro que vocês tiraram o Dr. Luis Eduardo Loures da Costa da coordenação do Projeto? Parabéns!

6 comentários:

  1. Duda repare que essas apresentações de power_point só mostram estatísticas e dados de outros países. Até hoje não vi nenhuma em que se mostre as atas das reuniões (sérias) anteriores em que se analisam os problemas do PEB e indicam soluções. Isso porque se sabe esses caminhos que ninguém quer trilhar. Esperam mudanças mas não querem mudar... Caminhamos para Nárnia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sr. Heisenberg!

      Endosso as suas palavras em gênero, número e grau. Infelizmente para nós este tem sido o caminho por pelo menos os últimos 25 anos do Programa Espacial Brasileiro (PEB), fora é claro, as decisões políticas estupidas e irresponsáveis como a que criou a Alcântara Cyclone Space (ACS).

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  2. Este,meu caro,é só um exemplo de que no PEB prevalece os interesses externos.É por isso que o VLS virou peça de museu;do que poderia ter sido mas não pode ser.

    ResponderExcluir
  3. Programa espacial que em meio século de existência não tem veículo lançador de satélite. Mantem duas bases de lançamento só pra gringo ver, e no final de tudo só vemos slides. O ultimo a sair apague a luz.

    ResponderExcluir
  4. Duda acompanho a sua página já faz anos e quero primeiramente agradecer sua disposição em manter o blog e as atualizações sobre o PEB e suas bizarrices rs. Queria só apontar algo bem estranho: no banner o pessoal de comunicação colocou um Foguete Soyuz russo quando na minha opinião deveriam ter colocado um VLM, que é o unico lançador que o Brasil com muito sacrificio vai conseguir desenvolver pra lançar peça de lego pro espaço numa futuro próximo. Vale a experiência com tecnologias diversas mas sabemos que ainda é muito atrasado e totalmente insuficiente. Espero que o próximo governo consiga renovar as esperanças por um PEB com mais verbas e mais estruturado. Vamos rezar... enquanto isso podemos seguir divulgando e conscientizando a população da importância do desenvolvimento espacial. (População tapada e burra, que adora surfar no desenvolvimento dos países desenvolvidos, mas sem por ahttps://brazilianspace.blogspot.com/logout?d=https://draft.blogger.com/logout-redirect.g?blogID%3D7656964824453193009%26postID%3D3678414736804841374 mão no bolso né...)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Wilson Lira Jr.!

      Bom jovem amigo, primeiramente obrigado por nos acompanhar há anos. São leitores como você que nos estimula a continuar realizando o nosso trabalho. Entretanto amigo, não compartilho a mesma espareça com você, seja ela em relação ao VLM ou ao PEB como um todo. Afinal jovem Wilson continuaremos com desgovernos POPULISTA de merda ainda por muito tempo e com eles não iremos a lugar nenhum.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir