quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Trump Assina Programa Para Levar Astronautas de Volta à Lua e Até Marte

Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada dia (11/12) no site “UOL Notícias” destacando que o presidente Donald Trump dos EUA assinou programa para levar astronautas de volta à Lua e a Marte.

Duda Falcão

UOL NOTÍCIAS – Ciência e Saúde

Trump Assina Programa Para Levar
Astronautas de Volta à Lua e Até Marte

Por Larissa Leiros Baroni
Do UOL, em São Paulo
11/12/2017 - 18h11

Foto: Randy Brensk/NASA.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta segunda-feira (11) um programa que autoriza a NASA (agência espacial americana) a enviar uma nova missão tripulada à Lua e, eventualmente, à Marte. Essa é a primeira diretriz da política espacial de seu governo.

"Desta vez não se trata apenas de colocar nossa bandeira e deixar nossas pegadas", afirmou Trump, em um pronunciamento feito na Casa Branca. "A nova missão na Lua estabelecerá uma base para eventuais missões a Marte e talvez, algum dia, para mundos além", completou.

Segundo o presidente norte-americano, a diretriz por ele assinada "vai reorientar o programa espacial dos Estados Unidos" e "marca um passo importante para o regresso dos astronautas norte-americanos para a Lua pela primeira vez desde 1972.".

Essa é uma promessa ousada, que marca o 45º aniversário do Apollo 17, a última missão tripulada para a Lua. Mas que já tinham sido cogitadas pelos últimos três presidentes norte-americanos, que foram impedidos pelos desafios políticos e financeiros da exploração espacial.

A última vez que o homem tocou o solo lunar foi em 11 de dezembro de 1972. Os astronautas dessa missão partiram da Terra no dia 7 e retornaram no dia 19 de dezembro do mesmo ano. Na ocasião, Eugene Cernan e Harrison Schmitt fizeram três caminhadas sobre a superfície lunar.

Hogan Gidley, porta-voz adjunto presidencial, ressaltou que a nova diretriz de Trump "modificará a política de voos espaciais tripulados do país para ajudar os EUA a se transformarem na força principal na indústria espacial, a obterem novos conhecimentos do espaço, e a desenvolverem uma tecnologia incrível".

Em outubro, o vice-presidente Mike Pence já havia declarado que os Estados Unidos voltariam a enviar missões à Lua. "Nós devolveremos os astronautas americanos à Lua, não só para deixar pegadas e bandeiras, mas para construir as bases que precisamos para enviar americanos para Marte e além", disse Pence na época, em discurso ao Conselho do Espaço Nacional.

Apesar de não mudar os planos de viagem à Marte, a nova diretriz do governo americano é vista como algo que altera a política da administração Obama. Em 2010, o ex-presidente cancelou o programa da administração de George W. Bush que previa o retorno do homem à Lua até 2020, antes da jornada à Marte, que ocorreria em 2030.

Em um discurso no Kennedy Space Center, Obama disse que não havia necessidade de retornar à superfície da Lua: "Já estivemos lá antes. Há muito mais espaço para explorar", afirmou na época, destacando que os esforços da NASA seriam os de levar astronautas para um asteroide como passo preparatório para a ida ao Planeta Vermelho.

Ida ao Planeta Vermelho

Em março deste ano, Trump assinou uma lei que repassa US$ 19,5 bilhões à NASA para o atual ano fiscal e estabelece como objetivo da agência enviar humanos a Marte até 2030. Na ocasião, o presidente dos EUA se disse "encantado" em sancionar a lei.

Durante a campanha eleitoral para a presidência dos EUA, Trump já dizia que a ida a Marte deveria ser priorizada pela NASA. "Os Estados Unidos vão liderar o caminho para as estrelas", declarou ele em evento de campanha em Stanford.

O objetivo de levar astronautas a Marte até 2030 e implantar uma colônia no Planeta Vermelho foi reafirmado por Barack Obama. O ex-presidente afirmava que os Estados Unidos precisariam se associar à indústria privada para alcançar o feito.

Esta é também a ambição do empresário e fundador da SpaceX, Elon Musk. Ele já apresentou um plano para estabelecer uma colônia em Marte, enviando 100 humanos de cada vez, por US$ 100 mil a passagem, a partir de 2024. (*Com agências internacionais).


Fonte: Site UOL Notícias – https://noticias.uol.com.br

Comentário: Pois é leitor, momento histórico para humanidade, só comparável ao momento que disse John Kenndey no inicio de seu governo, quando anunciou que os EUA levaria astronautas até a superfície da LUA antes do final da década de 60, e assim o fez. Digam o que quiserem sobre os EUA graças a sua política econômica e militar agressiva em defesa se seus interesses e de seu povo, mas não é por acaso que eles são a maior potencia do planeta. Enquanto isto, um gigantesco território de piratas situado no hemisfério sul deste mesmo planeta, tido pela comunidade internacional como uma eterna promessa, sob o comando politico de Grupos Populistas de Merda (vendedores de banana) continuam saqueando e brincado de governar. Estamos ferrados. Enquanto isto, está definitivamente aberta a nova corrida espacial entre nações, e esta atitude americana deverá atrair ações semelhantes e definitivas dos países europeus, da China, Rússia, Japão e até mesmo da Índia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário