sexta-feira, 2 de março de 2018

Microcontrolador ZR16S08 da SMDH Recebe Selo de Produto Nacional

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada ontem (01/03) no site da “Sociedade Brasileira de Microeletrônica (SBMicro)” destacando que o Microcontrolador ZR16S08 desenvolvido pelas empresas brasileiras Santa Maria Design House (SMDH), Chipus Microeletrônica S.A. e C&P Projetos Eletrônicos LTDA. recebeu o Selo de Produto Nacional.

Duda Falcão

NOTÍCIAS

Microcontrolador ZR16S08 Recebe
Selo de Produto Nacional

SBMicro
01/03/2018

De forma inédita no Brasil, o governo brasileiro através do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC) reconhece o microcontrolador ZR16S08 como Produto Nacional atendendo a Portaria 1309. No dia 27 de fevereiro de 2018 foi oficialmente publicada no Diário Oficial da União, a Portaria 939 de 22 de fevereiro de 2018 do MCTIC  (http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?data=27/02/2018&jornal=515&pagina=8&totalArquivos=86) , a qual estabelece que o Produto ZR16S08 é componente eletrônico semicondutor desenvolvido no Brasil e cujos desenvolvedores são: Santa Maria Design House (SMDH), Chipus Microeletrônica S.A. e C&P Projetos Eletrônicos LTDA.  Com isto, temos hoje um microcontrolador genuinamente brasileiro e que pode se tornar a curto prazo uma alternativa aos chips importados. O Brasil é um país altamente importador de semicondutores com déficit anual na casa dos US$ 20 bilhões, o que torna este FEITO ainda mais significativo.

Estamos falando do primeiro microcontrolador brasileiro com design e arquitetura proprietária. É uma grande conquista na área da microeletrônica brasileira, pois este chip pode ser usado para as mais diversas aplicações devido a sua grande versatilidade e facilidade de programação. Além disso, existem linhas de financiamentos no BNDES que privilegiam produtos que tenham em seu interior chip reconhecidamente nacional, através de incentivos financeiros com juros menores e carência, como é o caso da área de iluminação.

A SMDH é uma Design House sem fins lucrativos ligada a FATEC e UFSM/GMICRO, cujo papel neste projeto foi o desenvolvimento de todos os circuitos integrados digitais. Chipus desenvolveu os circuitos analógicos e C&P desenvolveu a arquitetura. Abaixo fotos do ZR16S08 com kit de desenvolvimento.

Contato – SMDH (www.smdh.org) / Prof. Dr. João Baptista Martins (CEO)



Fonte: Site da Sociedade Brasileira de Microeletrônica (SBMicro) - http://sbmicro.org.br

Comentário: Pois é, para quem não sabe a SMDH, através do seu Coordenador Prof. João Baptista, da UFM, é parceira de primeira ordem do Programa NanosatC-Br. O NanosatC-Br1 que ainda envia dados desde o seu lançamento em Junho de 2014 tem como um de suas três cargas úteis um circuito integrado projetado para tolerância a radiação pela SMDH. Este circuito foi uma demanda da Divisão de Eletrônica Aeroespacial do INPE. Portanto você pesquisador que tem algum projeto de pequeno satélite em curso ou em planejamento que precise de algum circuito integrado projetado para tolerância à radiação, entre em contato com a SMDH e veja como eles podem lhe ajudar, e vamos assim apoiar o que é nosso.

2 comentários:

  1. Grande feito! Estamos muito atrasados neste mercado, mas temos grandes pesquisadores e entidades capazes. Basta incentivo e reconhecimento.

    Um grande problema que tenho visto é que, sempre que uma empresa tecnologicamente avançada brasileira começa a prosperar, acaba sendo comprada por empresas estrangeiras. Já perdi as contas de quantas empresas foram compradas nos últimos anos. Assim fica difícil deixarmos de ser um país exportador de commodities.

    ResponderExcluir
  2. Eu fiquei bastante feliz ao saber disso, pois estou estudando nessa área. Pelo que pesquisei parece que o hardware para sistemas críticos, como telecomunicões e aeroespacial, as agências reguladores exigem nacionalidade, mas não a nível semicondutor.

    Já é sabido que nesse mercado, nós brasileiros temos muita qualidade, entretanto o grande problema está no custo de fabricação, concorrer com os tigres asiáticos no mercado de semicom e placas(sem considerar intervenção das reguladoras como dito acima) é algo que deve ser pensado com muita calma.

    ResponderExcluir